Conheça o “Coletivo Resistir”. O grupo recente, movido a ajudar e a lutas da sociedade.

Por: Athos Oliveira (Estudante de Jornalismo)

O grupo foi criado logo após as eleições de Novembro e é movido pela vontade de ajudar o próximo em suas lutas e reivindicações de direitos necessários aos cidadãos. O nome escolhido – “Coletivo Resistir”, já promoveu algumas atividades, nestes pouco mais de três meses de atuação em Campo Belo.
O movimento deu inicio com a percepção da necessidade da representação voltada para as questões sociais na cidade e tem como objetivo de promover o diálogo democrático, que possa ser formativo e colaborativo entre todos os membros contando com trabalhos nas áreas educacionais, sociais, culturais e ambientais, mas com o intuito de ajudar na cidade de diversas maneiras.
Segundo Kevyn Alerrandro Ferreira, de 23 anos, umas das ações realizadas pelo coletivo, foi a limpeza da Serra da Jacutinga e também o plantio de árvores para maior desenvolvimento na questão ambiental. Além disso, ele relata sobre as questões sociais que serão trabalhadas pelo grupo, como a violência contra a mulher. Neste quesito, ele acredita que seria uma busca do grupo em apoiar as mulheres que sofrem qualquer tipo de ameaça e também agressões físicas.
Ele conta que devido à pandemia, muitas ações têm que ser feitas por poucas pessoas, evitando a aglomeração, com o consenso com todo o grupo, a partir da aceitação de uma realidade que precisa de fato ser mudado, o que muitas das vezes pode ser um direito que não foi exercido.
Na área da educação, o grupo promove um “aulão” em preparação para o Enem, onde as aulas são remotas (online) e totalmente gratuitas, divididas nas 4 áreas estabelecidas no Exame, que são Ciências da Natureza, Ciências Humanas, Ciências Exatas e Linguagens.
Outro membro do grupo Rafael Arantes, 33 anos, fala que o intuito é promover as ações sociais, e ir onde o poder público não vai, onde as universidades e outros órgãos responsáveis não tem acesso. Para ele, a área que mais interessa se aprofundar é a ambiental.
Uma das ações do coletivo na cidade foi relacionada a manifestações voltadas para a luta de direitos e políticas públicas dos transgêneros, as vésperas do dia simbólico da consciência e visibilidade trans.
O Coletivo Resistir possui uma conta no Instagram, no facebook,e também no Twitter, respectivamente, @coletivoresistircb, Coletivo Resistir Campo Belo e @ Resistircb.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!