Lavras: Operação prende suspeitos de esquema de fraude em vistorias de veículos

Cinco pessoas foram presas na operação realizada pela PC de Lavras. (Foto: Jornal de Lavras)

Uma operação da Polícia Civil de Lavras (MG) prendeu cinco pessoas suspeitas de envolvimento em um esquema de vistoria de veículos na delegacia da cidade. Um estagiário, segundo a polícia, recebia propina de despachantes para fraudar vistorias obrigatórias de carros que seriam transferidos em vendas.

Há dois meses a Polícia Civil de Lavras abriu uma linha de investigação para apurar suposto crime de corrupção envolvendo um funcionário da Prefeitura da cidade, despachantes de veículos e particulares. O esquema foi apurado pelos investigadores da PC e na manhã desta segunda-feira (10/12), então foi montada a operação “Vigilância Perene”, que teve a frente os delegados Alexandre Rezende Vieira e Marcelo Vilela Guerra.

Cinco mandados de prisão preventiva e onze de busca e apreensão foram expedidos contra despachantes e particulares que, segundo o que foi apurado, pagavam propina para um funcionário público municipal que, cedido para trabalhar no setor de trânsito da Delegacia, aprovava veículos nas vistorias que realizava, mesmo com a presença de comprovadas irregularidades nos carros. Ele era estagiário. “A investigação aponta que um funcionário da prefeitura, que era cedido para a delegacia para fazer as vistorias, recebia propina para aprovar veículos que deveriam ter sido reprovados”, explica o delegado regional Marcelo Vilela Guerra.

Delegacia de Lavras investiga irregularidades em vistoria de veículos

A Polícia Civil está investigando se além das irregularidades de trânsito para emplacamento, o servidor municipal recebia propina também para esquentar carros furtados. De acordo com o delegado Alexandre, “há também indícios deste tipo de crime, por exemplo, numeração de chassi e de motor adulteradas”.

Segundo informações do Recursos Humanos da Prefeitura de Lavras, se comprovadas as irregularidades envolvendo o servidor municipal, será imediatamente aberto um processo administrativo para sua exclusão do quadro de servidores.

 Além de despachantes, houve registros de pagamento de propina por pessoas comuns que tinham conhecimento do esquema. As investigações agora devem apurar se houve fraudes também para transferências de carros roubados, com chassi adulterado. O delegado Alexandre contou ainda que a fraude na vistoria também era feita fora do ambiente da delegacia. “Para que ele não fosse denunciado ou identificado pelos colegas, ele saía da delegacia e fazia vistorias nas residências ou mesmo na rua”.

Até às 14h, o Recursos Humanos não havia recebido nenhum documento por parte da Delegacia de Polícia. Já na Delegacia de Polícia a informação é que os envolvidos ainda estão sendo ouvidos, assim que terminar a oitiva eles serão levados para o presídio estadual de Lavras e as informações serão passadas ao Recursos Humanos da prefeitura para as providências cabíveis.

Fonte: Jornal de Lavras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!