Polícia Civil faz reconstituição de homicídio em Varginha

Polícia Civil reconstitui crime que matou estudante em Varginha (MG) — Foto: Polícia Civil

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) fará, nesta manhã (13/7), a reconstituição de um homicídio ocorrido, na segunda-feira (6/7), no município de Varginha. O suspeito fugiu do local, mas foi preso em flagrante. Ele estaria passando uns dias na cidade, conheceu a vítima sábado (4/7) e, após consumir bebida alcoólica, entraram em atrito verbal, sem motivo aparente, e luta corporal em via pública.

A vítima, de 22 anos, foi ferida no peito, com golpe de canivete, e encontrada na calçada sem sinais vitais.

Os policiais isolaram parte da Avenida Padre Bruno. Três testemunhas do assassinato ajudaram a refazer a cena do crime. O suspeito não foi autorizado a participar da simulação.

“Ele não foi liberado pelo Presídio de Elói Mendes, que é considerada a porta de entrada do sistema penitenciário da região do Sul de Minas e a central de Belo Horizonte determinou que o presídio não o liberasse para a reconstituição. O argumento é que enquanto ele estiver em triagem, ele não poderia ser liberado. Só a partir do dia 20, quando ele fosse recambiado no presídio de Varginha”, explicou o delegado Jorge Bruno Barbosa.

O delegado explicou que não poderia esperar até o dia 20 porque há um prazo de 10 dias para entrega das investigações; o prazo termina na quarta-feira (15).

O estudante do conservatório de Varginha, de 22 anos, foi atingido por golpes de canivete no peito no dia 6 de julho. Segundo a polícia, houve uma briga entre a vítima e o suspeito, de 24 anos, que fugiu mas foi preso no mesmo dia. O motivo da briga teria sido uma recusa da vítima em cumprimentar o suspeito. “O objetivo da reconstituição é justamente demonstrar que a versão do suspeito não tem qualquer fundamento. Quando a perícia reproduzisse essa versão aqui na reconstituição iria ficar claro que ela não tem nenhuma compatibilidade. Todas as testemunhas presenciaram o fato e falaram que a briga começou porque a vítima se recusou a cumprimentar o suspeito. Ele foi em direção à vítima e a vítima se recusou a dar a mão ao suspeito. Ele nega isso e não conseguiu apresentar uma motivação razoável pro crime que ele cometeu”.

Segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, o suspeito não foi liberado porque há uma resolução por conta da pandemia de que os detentos só podem ser liberados por determinação judicial em caso de emergência de saúde.

A Polícia Civil deve apresentar o fim das investigações ao Ministério Público na quarta-feira.

Fonte: Assessoria de Comunicação PCMG

Corpo de estudante de piano morto com facada no peito é sepultado em Varginha — Foto: Reprodução / Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!