Campo Belo: Desfecho da polêmica dos garis; Alguns foram recontratados

Foto: Arquivo DCB

A paralisação dos 22 garis que prestavam serviço para o Alicerce em Campo Belo na semana passada dificultou o recolhimento do lixo em alguns bairros da cidade. Na segunda-feira (21/10) um grupo de funcionários resolveu parar as atividades para reivindicar melhorias nas condições de trabalho. A expectativa deles era que o prefeito Alisson de Assis Carvalho os ouvisse e os ajudassem nas reivindicações junto à empresa. Fato que ocorreu na quinta-feira (24/10). Quatro deles (representando o restante) foram ouvidos pelo prefeito. Segundo os garis que participaram da reunião, não houve acordo unânime e eles decidiram não voltar.

A produção do DCB tentou contato com Walter de Oliveira, mas ele não respondeu ao questionamento do site. De forma extra-oficial, o diariocampobelo.com.br teve conhecimento que alguns (não foram os que participaram da reunião) retomaram o trabalho na sexta-feira.

Em entrevista anterior, Walter disse que os 22 estavam demitidos. “Queremos apenas nossos direitos e por isso não voltamos ao trabalho. Explicamos ao prefeito que algumas reivindicações feitas à empresa não estariam sendo cumpridas. Não queremos nada, além dos nossos direitos assegurados pela Constituição”, comentaram alguns dos garis que participaram da reunião.

Nota

Segundo a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, o Prefeito Dr. Alisson ouviu 4 dos funcionários da prestadora de serviços do município, os quais interromperam a coleta, motivados por assuntos internos da empresa contratada. O prefeito tomou nota de todas as solicitações e em seguida pediu para que o responsável pela empresa fizesse parte da reunião.

Dr. Alisson desta vez ouviu ambas as partes juntas e simplificou solicitando ao responsável da empresa terceirizada que recontratasse-os e colocasse em dia possíveis atrasos. Como solicitado pelos integrantes da paralisação, o prefeito fez a parte dele, ouviu atentamente cada um, mas o poder de recontratar ou não é da Empresa que eles eram funcionários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!