Campo Belo: Gabriel, que tinha síndrome rara, não resistiu e morreu em São Paulo

Gabriel Antônio Cardoso Cândido Souza, de 4 anos, tinha a síndrome de Chediaki-Higashi e se recuperava de um transplante de medula, porém na manhã desta quarta-feira (31/05) ele não resistiu a uma pneumonia. O menino de Campo Belo (sul de Minas) que sofria de uma síndrome rara, recebeu o transplante de medula óssea no dia 22 de março deste ano. O doador compatível internou na noite anterior no INCA do Rio de Janeiro. Dias depois saiu o resultado e houve paga da medula, mas ele ainda tinha que ficar em São Paulo para acompanhamento por quatro meses. Na noite de quarta (30/05) por volta das 19 horas ele ainda conversou com a tia. O guerreiro internou para cuidar do quadro de uma pneumonia. Teve a primeira parada cardíaca no início da madrugada (que durou 15 minutos), mas foi reanimado com adrenalina. Mais tarde teve a segunda e não resistiu. Faleceu ás 05h30.

Para quem o conheceu, Gabriel deixou lições de vida. A Funerária Nova Aliança Gustavo N. Souza está cuidando da liberação do corpo. A empresa doou o serviço. Fizeram uma campanha também e com as doações compraram a passagem aérea para a tia que mora em Cabo Frio e durante este período lutou pelo tratamento do sobrinho.

Relembrem a história do pequeno

Gabriel Souza, hoje com 4 anos, desde o primeiro mês de vida apresentou os sintomas da síndrome de Chediak-Higashi, que fragiliza o sistema imunológico. Bibi, como é chamado, teve o diagnóstico exato em 2015. Depois de um longo tempo de tratamento no ITA (INSTITUTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL), que faz parte do Hospital das Clínicas de SP, ele está próximo de mais um passo importantíssimo, o transplante. Ele encontrou o doador compatível e já está área de realização do procedimento. O doador internou na noite de terça-feira (21/03) no Inca do Rio de Janeiro, e nesta quarta fará a doação da medula para Gabriel.

A síndrome Chediak-Higashi é uma alteração genética ainda sem causa definida, que afeta diretamente o sistema imunológico. Quando atacado por um vírus ou bactéria, o corpo reage contra o próprio organismo. A doença se caracteriza pelo albinismo parcial e por isso é conhecida também como síndrome do cabelo prateado. Após o procedimento, a criança terá que ficar internada por mais seis meses para ter um acompanhamento médico específico. Dos R$ 20 mil necessários, pouco mais de R$ 3 mil já foram arrecadados por meio da vaquinha virtual criada por amigos. O prazo para doações se encerra no dia 5 de maio, vamos ajudar este guerreiro que luta a cada segundo pela vida. Sempre sorridente, Bibi é muito maduro pela pequena idade. Um garoto inteligente, divertido e carismático. Adora Gal Costa e encanta o corpo clínico do hospital com seu otimismo e alegria contagiante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!